Saudações ao Santo Padre por Jean-Luc Moens, moderador do CHARIS, durante a
1ª Conferência Internacional

Caro Santo Padre,

Obrigado por ter nos acolhido neste lugar, nesta vigília de Pentecostes, para orar ao Espírito Santo com o senhor e ouvir o que nos tem a dizer sobre o desenvolvimento da Renovação Carismática Católica a serviço da Igreja universal.

Há quatro anos, em junho de 2015, o senhor escreveu aos presidentes do ICCRS e da Fraternidade Católica solicitando que eles trabalhassem para estabelecer um único serviço para a Renovação Carismática Católica. Depois de 4 anos de trabalho com as pessoas que você designou e o acompanhamento do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, é uma alegria para mim anunciar que, junto com o Serviço Internacional de Comunhão, estamos prontos para assumir a tarefa que o senhor nos confiou, apoiado por toda a RCC.

Desde o momento de sua eleição para a Cátedra de Pedro, o senhor teve várias oportunidades de falar a Renovação Carismática; acolhemos cuidadosamente as orientações de suas várias intervenções.

Nós entendemos que, como o Cardeal Suenens, você também considera a Renovação Carismática como uma corrente de graça na Igreja. O Cardeal Suenens estava convencido de que a Renovação Carismática era uma corrente de graça chamada para transformar toda a Igreja. É à luz dessa imagem que compreendemos seu pedido para difundir amplamente o batismo no Espírito Santo. Todos nós aqui presentes estamos empenhados em trabalhar nessa direção e agradecemos por ter aberto as portas da Igreja para esta corrente de graça. O senhor disse que no começo considerava a Renovação Carismática como uma escola de samba e que naquela época não era muito aberto para o que poderia trazer para a Igreja; essa resistência que você experimentou pessoalmente ainda existe em certas partes de nossa Igreja. Que conselho você pode nos dar para realizar a missão que nos confiou?

Também ouvimos o seu chamado para retornar às fontes de louvor e adoração, para sermos ativos na evangelização e no serviço aos pobres. Também observamos seu apelo pela humildade dos responsáveis. Como você disse claramente, ninguém é indispensável. Nós somos apenas servos. É neste espírito, Vossa Santidade, que, pessoalmente e com todos os membros do Serviço Internacional de Comunhão aqui presentes, aceitamos a tarefa que nos foi confiada na animação do CHARIS.

Também compreendemos a importância de nos colocarmos a serviço da comunhão.

A comunhão diz respeito sobretudo às diferentes realidades da Renovação Carismática Católica. Mas a comunhão também diz respeito à unidade dos cristãos. O senhor nos lembrou que a Renovação Carismática é ecumênica por natureza e nos encorajou a um ecumenismo espiritual: orar juntos e anunciar juntos que Jesus é Senhor e se unir para ajudar os pobres, em todas as formas de pobreza. Nós temos cristãos não católicos entre nós que são o sinal em nosso meio de nosso desejo de colocar Suas palavras em prática.

Ouvindo Suas palavras, entendemos que o grande desafio que a Renovação Carismática deve assumir é o da evangelização. Nós nos comprometemos, Santo Padre, a servir a Igreja em missão, em comunhão com nossos irmãos cristãos não-católicos, e manifestar o amor de Deus de predileção pelos pobres.

Por fim, Santidade, desejamos orar pelo seu ministério. Com o senhor, queremos orar por um novo Pentecostes para a Igreja. Lançamos uma campanha de oração de 3 meses para um novo derramamento do Espírito sobre a Igreja e o mundo. Neste dia, desejamos orar convosco por esta intenção: vem Espírito Santo, vem Pai dos pobres, vem consolador perfeito, renove suas maravilhas em nosso dias com um novo Pentecostes.

Em nome de toda a nossa assembléia, agradeço de todo o coração, Santo Padre.